Resenha - Cinquenta Tons de Cinza



Cinquenta Tons de Cinza

Autor: E L James
Editora: Intrinseca
Classificação: Literatura estrangeira - Romance
Número de páginas: 480

50 Tons de Cinza, de E. L. James é o primeiro volume da trilogia homônima mais aclamada dos últimos tempos.  

Anastasia Steele, estudante de 21 anos, virgem e totalmente inocente e ingênua em se tratando de vida amorosa-sexual, conhece o multimilionário Christian Grey durante uma entrevista em que ela é praticamente obrigada a fazer no lugar de sua amiga Kate. A atração é instantânea. Ela se sente atraída por ele, por sua beleza e charme e ele vê em Anastasia algo além daquilo que procura nas mulheres. Ele a quer a qualquer custo e sob seus termos. Esta atração se torna cada vez maior, aproximando os dois.  
A questão é que Christian tem preferências sexuais “peculiares” e pouco ortodoxas e isso assusta Anastasia (a princípio). Mas Grey tem um charme irresistível e Anastásia acaba se entregando a este homem cheio de mistérios, segredos, e terrivelmente apaixonante.
Chocada e ao mesmo tempo totalmente seduzida, Anastasia acaba se rendendo aos encantos de Grey. Seus mistérios e sua capacidade de dominá-la num misto de medo e sedução  faz com que os dois se apaixonem e mudem suas vidas um pelo outro. Com o tempo, Ana não só se rende como também aprende a conhecer seus próprios desejos e a amar esse homem atormentado, que tem uma personalidade dividida em 50 tons.

Uma boa leitura, picante em sua essência, mas com uma linguagem rebuscada, sem grandes vulgaridades e nada de termos “chulos”. E. L. James conseguiu fazer um sucesso literário com personagens pobres, uma trama razoável que nos prende de alguma forma, seja pelos mistérios na vida de Grey, pelos momentos eróticos e até mesmo pela curiosidade de saber onde isso tudo vai dar. Depende sempre do gosto de cada leitor. Sem contar que Christian é o sonho dourado de qualquer mulher: lindo, rico, inteligente, espirituoso, bem-sucedido e incrivelmente sexy.
Já Anastasia decepcionou. Como a narrativa parte do ponto de vista dela, fica tudo muito infantil. Ela é imatura e chata em alguns momentos. A leitura flui, mas é repetitiva e óbvia demais.  Ela faz caras e bocas o tempo todo e vive em conflito consigo mesma. Uma adolescente com corpo e desejos de uma mulher.
Por todo o “alarde” em torno da trilogia, acho que a expectativa foi grande demais. Muito barulho e pouco conteúdo.

Michelle

2 comentários:

Roberta Santos disse...

Uau!
Finalmente uma resenha que descreve tudo que senti lendo este livro.
Excelente resenha =)
Também achei muito alarde para pouco conteúdo. Fora que em alguns pontos a história fica confusa e muito contraditória. Achei que o Christian abandonou sua vida sadomasoquista muito rápido, a autora poderia ter trabalhado isso muito melhor, agora a narrativa em alguns pontos achei muito chula =/
Realmente adorei a resenha e seu blog é lindo!
Beijoos!
http://garotaliber.blogspot.com

Michelly Santos disse...

A Anastasia é assim pq foi inspirada na Bella, de Crepúsculo... São duas sem sal, que eu acho! kkkkkkk
Mas até que o livro vale como entretenimento...

http://maisumapaginalivros.blogspot.com.br/
Mais Uma Página

Postar um comentário